A Croácia e a Áustria são os primeiros países a definir um período de validade para o certificado de vacinação

0 738

Embora a versão delta do COVID-19 tenha se mostrado altamente transmissível e continue a afetar profundamente os países ao redor do mundo, os governos estão tentando encontrar medidas eficazes para ajudar a impedir a disseminação do vírus.

Entre as medidas tomadas pelos países da UE para permitir viagens durante a pandemia, mantendo a situação pandêmica sob controle, estava a introdução do Certificado Digital COVID da UE.

Embora tal documento tenha sido divulgado para facilitar o processo de viagens entre países, a decisão de alguns países europeus de impor datas de validade para este certificado de viagem tornou esse processo ainda mais complicado e até mesmo confuso para os viajantes.

A Croácia é o primeiro país a definir um período máximo de validade para os certificados COVID-19.

O governo de Zagreb sublinhou que todos os passageiros serão impedidos de entrar na Croácia, a menos que tenham resultado negativo em um teste de PCR ou antígeno se mais de 210 dias tiverem decorrido desde que os passageiros receberam a segunda dose da vacina, qualquer vacina COVID-19 aprovada pelo QUEM.

A Áustria se tornou o segundo país a seguir esse caminho e definiu uma data de validade para o Certificado Digital COVID da UE. As autoridades austríacas anunciaram que fixaram um período máximo de validade de 270 dias para o certificado de vacinação. Portanto, todos os viajantes que pretendem entrar na Áustria devem estar cientes das novas mudanças.

Tal decisão veio depois que os casos de infecção por COVID-19 na Áustria aumentaram em agosto, enquanto as autoridades austríacas apontaram que esse aumento foi causado por visitantes internacionais e cidadãos que retornaram à Áustria de países gravemente afetados pelo vírus.

No entanto, ainda não se sabe se outros países seguirão o exemplo da Croácia e da Áustria e farão essas mudanças para viagens internacionais.

Embora ambos os países visem restringir as chegadas de territórios que relataram recentemente altas taxas de infecção por COVID-19, ambos os países continuam a permitir a entrada de viajantes dos EUA, apesar das recomendações do Conselho da UE de impor regras de entrada mais rígidas. foi removido da lista da UE de países considerados epidemiologicamente seguros em termos de coronavírus.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.