Itália desiste do PLF, mas mantém a exigência do passe verde COVID-19 ao entrar no país!

1 1.033

O Ministério da Saúde italiano anunciou que o requisito de preenchimento do PLF para entrada no país foi removido a partir de 1º de maio, enquanto o restante das restrições de entrada existentes foi prorrogado até o final de maio de 2022.

Em portaria publicada em 28 de abril no Diário Oficial da Itália, o Ministério observa que, devido à atual situação do coronavírus na Itália, bem como em outros países da UE e não pertencentes à UE, as regras de entrada para o Coronavírus serão estendidas até 31 de maio. .

A decisão é baseada em uma recomendação da Direção Geral de Prevenção da Saúde enviada ao Ministério em 26 de abril de 2022, que afirma que, apesar da cessação do estado de emergência na Itália, ainda é necessário combater a propagação do vírus .

"A situação epidemiológica global ainda exige medidas de precaução, pois em alguns países da UE e não pertencentes à UE (incluindo Itália) as taxas de infecção continuam altas e, como tal, é necessário manter o atual regime de medidas de entrada na Itália.".

Assim, os viajantes da UE e de países não pertencentes à UE ainda serão obrigados a apresentar um dos seguintes certificados para entrar na Itália: certificado de vacinação COVID-19; Certificado de Recuperação do Coronavírus; Certificado de resultado negativo em testes COVID-19.

Para aqueles que não estão vacinados contra COVID-19 e não estão se recuperando da infecção por COVID-19, eles podem ter um resultado negativo no teste COVID-19. Apenas testes de PCR realizados 72 horas antes da chegada à Itália e testes rápidos de antígeno realizados dentro de 48 horas são aceitos.

Aqueles que não possuem nenhum dos três certificados listados acima precisarão ficar em quarentena por um período de cinco dias após a chegada à Itália. Eles poderão sair do isolamento somente após o término desse período e com teste negativo para COVID-19.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.