A Bombardier entregou a última aeronave CR900-840, registrada NXNUMXSK.

0 95

No domingo, a última aeronave Bombardier CRJ deixou a linha de montagem da fábrica Mirabel do Canadá, marcando o fim da história de 30 anos do avião e o fechamento de instalações. O CR900-840, com registro N1.945SK, foi a XNUMXª aeronave produzida e será entregue à Delta Air Lines e operada pela SkyWest Airlines.

A SkyWest é uma das principais operadoras desse modelo, com 371 aeronaves na frota. A transportadora regional está operando com aeronaves Bombardier CRJ em nome da empresa Delta Air Lines, American Airlines e United Airlines como Delta Connection, American Eagle e United Express, respectivamente.

Embora este seja o fim da produção de CRJ, a Mitsubishi Aircraft comprou o programa da Bombardier em 2020 e pretende fornecer manutenção e peças de reposição para aeronaves CRJ que atualmente voam ao redor do mundo.

No entanto, parece que a fabricação de aeronaves CRJ será completamente abandonada e, em vez disso, seu modelo SpaceJet terá sido aprimorado. Foi construído como concorrente da CRJ Bombardier e ERJ Embraer.

A aeronave CRJ tem sido um sucesso no mercado de aeronaves regionais desde seu primeiro vôo em 1991.

O programa CRJ tem sido um sucesso no mercado de aeronaves regionais desde o primeiro vôo em 1991. Ele ganhou popularidade entre as principais companhias aéreas que desejavam conectar mercados menores com grandes centros.

No entanto, a indústria mudou. Companhias aéreas de baixo custo, como Southwest Airlines e Allegiant Air, abandonaram o modelo em favor de aeronaves de médio porte, como o Boeing 737 e o Airbus A320. Como resultado, aeronaves maiores, mais confortáveis ​​e mais eficientes, como o Embraer E170 e E190, tornaram-se mais procuradas.

Em resposta, a Bombardier tentou criar o jato C-Series para se opor ao Embraer E-Jet, mas se revelou muito caro. Como resultado, a Bombardier vendeu o projeto para a Airbus, que o renomeou como A220. Desde a venda do programa CRJ para a Mitshubishi, a Bombardier disse que se concentrará na série de aeronaves comerciais e não produzirá mais aeronaves comerciais.

A Bombardier vendeu o programa CRJ por US $ 550 milhões em dinheiro e US $ 200 milhões em dívidas após não conseguir construir um avião para competir com a Airbus, Boeing e Embraer.

A Bombardier vendeu o programa CRJ por US $ 550 milhões depois de não conseguir construir uma aeronave para competir com a Airbus, Boeing e Embraer.

Devido às mudanças na estratégia de negócios e ao impacto da pandemia, a retirada de aeronaves regionais mais antigas provavelmente se acelerará nos próximos anos e exigirá uma substituição maior e mais eficiente. A Mitsubishi espera que a aquisição do programa CRJ impulsione o programa SpaceJet, especialmente porque pode reter a base de clientes da Bombardier.

No entanto, o futuro da SpaceJet é incerto. Em outubro de 2020, a empresa interrompeu o programa devido à pandemia e, desde então, reduziu o número de funcionários e o orçamento da SpaceJet.

Enquanto a Japan Airlines e a All Nippon Airways mantinham os pedidos da aeronave, a empresa americana de leasing Aerolease cancelou o pedido de dez aeronaves. Além disso, a empresa sueca Rockton disse à Smart Aviation APAC que não pretende adquirir o avião, embora já tenha assinado uma carta de intenções para dez aeronaves.

Restaram apenas 167 pedidos, a maioria dos quais adquiridos pela SkyWest e Mesa Airlines. A entrega da primeira aeronave à All Nippon Airways estava originalmente programada para 2022, mas é provável que sofra um atraso. Desde que o programa foi lançado em 2007, apenas oito aeronaves de teste foram produzidas e nenhuma foi entregue.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.