Causas do acidente do vôo 447 da Air France, na rota Paris - Rio de Janeiro - 1º de junho de 2009

0 1.280

No 1 de junho do 2009, o voo 447 da Air France desapareceu do radar. O Airbus A330-200 com passageiros 228 a bordo colidiu com o Oceano Atlântico, a aproximadamente 600 km da costa brasileira. Não houve sobreviventes!



Anos 3 após o acidente, o relatório dos especialistas judiciais franceses conclui que uma combinação de erros humanos e defeitos técnicos levou ao acidente da aeronave.

O relatório será apresentado às famílias enlutadas no dia 11 de julho. As conclusões mencionam uma perda de dados devido ao congelamento dos poços de Pitot, um procedimento de emergência não adaptado a este caso, mas também a ausência de uma resposta adequada da tripulação ou a falta de monitoramento de incidentes da 10, informa Mediafax.

As conclusões aproximadas do 20 começam descrevendo o colapso:
“O mergulho foi iniciado por uma trajetória não controlada que ocorreu após a perda de dados de pressão devido ao congelamento das sondas Pitot, acompanhada de alarmes e degradação dos sistemas relacionados”, segundo as conclusões citadas por esta fonte.

"A falta de informação da tripulação sobre o congelamento das sondas ou a altitude contribuiu para o efeito surpresa", acrescentou ela.

As conclusões também mencionam os procedimentos de emergência não adaptados aos quais foram acrescentadas "condições de voo desfavoráveis: noite, turbulência e sem referências visuais".

Os especialistas destacam ainda a contribuição do comandante de voo que "não assumiu as responsabilidades gerenciais" e "inibiu a vontade do copiloto de agir bem", segundo a fonte.

A formação de pilotos é ainda reivindicada: “Não existem requisitos especiais complementares às competências do co-piloto definidas pelo operador para assumir o cargo de comandante de voo alternativo”.

As alterações técnicas também são mencionadas porque não foram acompanhadas por uma análise de segurança da aeronave, observando que "as especificações de certificação (CS25) não mudaram devido a incidentes de indicações de perda de velocidade desde 2004".

A divulgação dessas descobertas ocorre quando o Bureau of Investigation and Analysis (BEA), órgão público francês responsável pelas investigações de segurança da aviação, publicará o relatório final da investigação na quinta-feira.

Na investigação judicial, a Air France e a Airbus foram acusadas, em fevereiro de 2011, de assassinato imprudente.

Notícias do período do acidente oferecidas pela Pro TV!

neste acidente, ele perdeu a vida e um passageiro de origem romena!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.