As companhias aéreas estão planejando demissões em massa nos próximos meses.

As companhias aéreas estão planejando demissões em massa nos próximos meses.

0 10.472

A pandemia do COVID-19 afetou indústrias inteiras, incluindo aviação e turismo. Enquanto as restrições de viagem estiverem ativas e as pessoas entrarem em pânico com o novo coronavírus, os aviões serão mantidos no chão. A IATA alertou que mais de 27 milhões de empregos estão em perigo da aviação, turismo e estruturas relacionadas. No entanto, especialistas mencionaram que levará pelo menos 2 anos para a aviação e o turismo voltarem ao "normal" em 2019.

Demissões em massa nos próximos meses

E aqui estão informações sobre as demissões em massa preparadas pelas companhias aéreas severamente afetadas pela crise do COVID-19.

RYANAIR está se preparando para demitir cerca de 3000 funcionários

RYANAIR está se preparando para demitir cerca de 3000 pessoas, o que significa 15% do número total de funcionários. Mais bases serão fechadas e a rede operacional será diminuída. A RYANAIR espera operar um pequeno número de vôos entre maio e junho, e grande parte da frota estará no solo. Ao mesmo tempo, os salários serão reduzidos de 10% a 20%. O CEO da RYANAIR, Michael O'Leary, anunciou que reduziu seu salário em 50% até março de 2021.

As companhias aéreas americanas demitirão até 105 funcionários

American Airlines, Delta Air Lines e United Airlines, a maior companhia aérea dos Estados Unidos, está enfrentando grandes problemas financeiros. Embora as autoridades estejam procurando soluções para financiar o setor de aviação dos EUA, as companhias aéreas estão se preparando para demissões em massa. Alguns especialistas apontam que 105 pessoas podem perder o emprego nos próximos meses.

No entanto, American Airlines, Delta Air Lines e United Airlines poderia retirar entre 800 e 1000 aeronaves do serviço operacional. Não vamos esquecer que A American Airlines já anunciou a retirada de 5 modelos de aeronaves da frota. A Delta anunciou que está "aposentando" a frota de aeronaves MD-80/90. E a United desiste dos aviões Boeing 757/767.

SAS demitirá 5000 pessoas devido à pandemia de COVID-19

A companhia aérea escandinava SAS anunciou que terá que reduzir sua força de trabalho em cerca de 50%, o que significa a demissão de 5000 pessoas. Mas não descarta demissões de até 90% da força de trabalho se a pandemia do COVID-19 continuar até 2021.

A norueguesa demitirá 4700 funcionários após o fechamento das subsidiárias

No 20 de abril do 2020, A Norwegian Air Shuttle foi forçada a fechar quatro subsidiárias na Dinamarca e na Suécia. As razões são claras! Problemas financeiros agravados pela crise do COVID-19.

Após a falência, 1.571 pilotos e 3.134 comissários de bordo serão demitidos. O norueguês também tem 700 pilotos e 1.300 comissários de bordo na Noruega, França e Itália, que não serão afetados por esta decisão.

O Grupo Lufthansa está se reestruturando e considerando a demissão de 18 funcionários

A Lufthansa está tomando medidas drásticas em meio à pandemia do COVID-19. E essas medidas não são temporárias, mas a médio e longo prazo. É claro que após essa crise, as viagens não serão mais as mesmas. Além dessa crise gerada pelo novo coronavírus, também enfrentaremos uma crise econômica.

Além de reestruturação de frota, O Grupo Lufthansa está se preparando para demitir até 18 funcionários de todas as empresas e subsidiárias. A Lufthansa está atualmente negociando com as autoridades da Alemanha, Áustria, Bélgica e Suíça para receber fundos de resgate. Mas, mesmo assim, uma redução de pessoal é iminente em meio à demanda decrescente de passagens aéreas e férias.

O futuro é sombrio para a indústria da aviação. Pelo menos a curto e médio prazo, as companhias aéreas reduzirão bastante suas atividades. Infelizmente, com sérias repercussões na economia e nas pessoas em geral.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.