Avião atrasado? Voo cancelado? >>Reivindicar compensação agora<< para o vôo
atrasado ou cancelado! Você pode ganhar até € 600!

Coronavírus na Europa: estados mudam restrições dependendo da situação epidemiológica

0 112

Autoridades na Escócia, Áustria, Bulgária e Grécia anunciaram novas restrições devido ao crescente número de infecções em seus territórios. Por outro lado, os casos de coronavírus que ainda estão ativos na Irlanda e na Suécia serão eliminados gradualmente. Em Portugal, a máscara deixará de ser usada ao ar livre a partir de domingo.

Remoção de restrições na Suécia

No final de setembro, as restrições a reuniões, restrições a estabelecimentos de alimentação e recomendações para trabalhar remotamente na Suécia vão cessar, apesar do número crescente de infecções. Os motivos para essa decisão são o grande número de pessoas vacinadas e a baixa sobrecarga dos serviços de saúde.

As autoridades suecas também anunciaram o trabalho para apresentar um certificado para pessoas vacinadas, que será necessário para organizar eventos para mais de 15.000 pessoas.

Regulamentos de segurança na Áustria

A partir de 15 de setembro, a Áustria retornará à obrigação de usar máscaras FFP2, inclusive em supermercados, farmácias e transportes públicos. Pessoas não vacinadas precisarão usar máscaras FFP2 em todas as lojas.

Caso a unidade de terapia intensiva tenha uma taxa de ocupação superior a 15%, será introduzida a regra 2G, o que significa que apenas as pessoas vacinadas que se recuperaram da doença poderão permanecer em restaurantes e participar de grandes eventos. (Mais de 500 pessoas). Após atingir o nível de 20% dos centros de terapia intensiva, os testes de antígenos NÃO serão mais reconhecidos e apenas os testes de PCR serão considerados em cinemas ou restaurantes.

O certificado de vacinação é obrigatório na Escócia

Para impedir o surto de novas infecções, os certificados de vacinação serão introduzidos na Escócia até o final de setembro. Estas serão uma condição para a entrada em discotecas e outros locais de entretenimento adulto, bem como para todos os eventos ao vivo interiores, com capacidade para até 500 espectadores, para todos os eventos ao ar livre ao vivo sem lugares onde o número de espectadores exceda 4.000 e todos os eventos de qualquer nível.

Restrições de levantamento na Irlanda

Por outro lado, na Irlanda, quase todas as restrições serão removidas até 22 de outubro. A condição é que o número de infecções permaneça em patamar controlado e que o percentual de vacinados chegue a 90%. De acordo com a programação apresentada, a partir do dia 6 de setembro, serão retomados os eventos de massa com a participação do público.

Se todos os participantes estiverem vacinados ou tiverem recuperado da doença, as instalações poderão ser utilizadas com uma capacidade máxima de 75% no exterior e 60% no interior. As restrições para eventos envolvendo pessoas não vacinadas permanecerão, assim como as restrições para 100 pessoas em casamentos, mas música ao vivo e dança serão permitidas. Por sua vez, os locais de culto podem ser usados ​​com 50% da capacidade, independentemente de as pessoas serem vacinadas ou não.

Restrições mais drásticas na Bulgária

O Ministério da Saúde da Bulgária anunciou o endurecimento das restrições devido ao aumento do número de infecções e mortes causadas por COVID-19. Entre 7 de setembro e 30 de outubro, será reduzido o funcionamento das unidades gastronômicas, que ficarão abertas de 7 a 22 anos. Restaurantes, academias, cinemas, teatros, museus, etc. eles só podem operar a uma capacidade de 50%.

Nos restaurantes, a distância entre as refeições deve ser de no mínimo 1.5m. As boates e discotecas estarão fechadas. Seminários científicos e excursões em grupo, incluindo centros de treinamento e instalações semelhantes para crianças, são proibidos. Haverá tráfego de mão única em bazares e shoppings. Os eventos esportivos ocorrerão com lotação não superior a 30%.

Restrições para pessoas que não foram vacinadas na Grécia

A partir de 13 de setembro, o governo grego vai impor novas restrições sobre as pessoas não vacinado. Até 31 de março do próximo ano, todos os funcionários dos setores público e privado que não tiverem um certificado de vacinação ou recuperação emitido nos últimos seis meses serão obrigados a fazer um teste SARS-CoV-2 semanal.

Serão necessários dois testes por semana para funcionários universitários, setores de turismo, alimentação e entretenimento. Este grupo também incluirá crianças em idade escolar e alunos. As provas devem ser realizadas por instituições privadas, com o valor de 10 euros cada, a pagar pelo sujeito da prova. Os alunos serão excluídos desta regra - no caso deles, o custo será pago pelo estado.

O certificado de vacinação não é mais exigido em restaurantes em algumas áreas da França

Em algumas partes da França, a exigência de mostrar passaportes COVID-19 em shoppings foi abolida.
Nos últimos dias, tribunais administrativos de vários departamentos franceses suspenderam a obrigação de mostrar - em shoppings - passaportes de saúde que confirmam a vacinação contra COVID-19, um teste negativo para coronavírus ou obtenção de imunidade após a doença: Hauts-de-Seine, Yvelines, Val -d'Oise e Essonne.

Princípio 3G na Alemanha

Na Alemanha, existe a chamada regra 3G (Geimpfte, Genesene, Getestete). Isso significa que qualquer pessoa em público deve ser vacinada, recuperada de uma infecção por COVID-19 ou ter um teste negativo. Isto também se aplica a passeios a restaurantes, cinemas, cabeleireiros, ginásios e piscinas, visitas a hospitais, centros de reabilitação e lares de idosos.

Além disso, quem se hospeda em hotel deve apresentar resultado negativo no teste, que deve ser repetido a cada três dias durante a estadia. As autoridades podem suspender essas regras se a incidência de 7 dias no estado federal permanecer abaixo de 35 novas infecções por 100.000 habitantes por semana.

Esta semana, os Ministros Federais da Saúde concordaram que, no caso de uma infecção por coronavírus na escola, apenas pessoas próximas aos infectados ficarão em quarentena por - pelo menos - cinco dias. A quarentena não se aplica a pessoas vacinadas e infectadas nos últimos seis meses.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.