Pessoas de aviação: Ana Diculescu - tripulação de cabine sênior

Pessoas de aviação: Ana Diculescu - tripulação de cabine sênior

Continuamos o projeto "People From Aviation" e no 2018. A primeira entrevista deste ano foi feita por Anei Diculescu - Senior Cabin Crew.

0 1.914

A aviação une pessoas, une continentes, une emoções. Continuamos a série de entrevistas com "People From Aviation" e falamos com Ana Diculescu - Senior Cabin Crew.

Ana Diculescu - Tripulação de Cabine Sênior

Ana Diculescu-crew

Vamos nos conhecer! Estamos falando?

Meu nome é Ana Diculescu, vôo de 19 anos, Senior Cabin Crew na Blue Air.

De onde veio sua paixão pela aviação e como você decidiu entrar no campo?

Fazer parte de uma família com tradição na aviação, meu pai ainda trabalhando nesse campo, além do cheiro de querosene e aviões, tudo me fez seguir meu sonho.

O primeiro amor foram os helicópteros, eu cresci entre eles e foi assim que meus micróbios de aviação entraram no meu sangue. É um micróbio que não acho que você consiga curar.

O meu sempre me apoiou para fazer o que eu amo. Depois que eu fui para a faculdade, eles me ajudaram a continuar a viver no meu mundo de contos de fadas onde me senti em casa - a aviação. Mas me concentrei em aviões e trabalho com o público, indo em paralelo com os estudos.

O que o seu trabalho envolve e quanto de um candidato é?

O desejo de fazer o vôo ir com segurança, a preocupação com a segurança e o conforto dos passageiros e o trabalho na tripulação são apenas alguns aspectos do trabalho de acompanhante a bordo.

É um trabalho complexo, que combina tanto esforço físico (trabalho longo em baixa pressão, radiação, vibração e ruído) quanto esforço mental.

Do ponto de vista psíquico, como comissário de bordo, você deve trabalhar com sucesso com muitas pessoas ao mesmo tempo e com suas próprias emoções.

Lembro-me muito carinhosamente do período inicial de minha carreira e, implicitamente, do momento durante os cursos de treinamento como assistente do conselho quando o instrutor da época, a Sra. Georgeta Dumbrava nos disse que os membros do conselho devem ser os atores perfeitos. Ao usar o uniforme, é aconselhável esquecer os problemas em casa.

Como comissário de bordo, você interage com muitas pessoas: de colegas no local, a tripulantes e passageiros. Com passageiros e colegas gastam mais tempo. Se na tripulação somos como uma família e nos entendemos e ajudamos uns aos outros quando necessário, os passageiros são o que nos dá a razão e o desafio de estar a bordo.

Qualquer pedido, fadiga e estresse empalidecem em comparação à satisfação de ver os passageiros se abraçando com seus entes queridos na reunião. É a sensação de que você contribuiu para sua alegria e vôo com segurança.

Ana Diculescu ar chefe de cabine azul

Quão difícil é subir a bordo? Quais são os passos a seguir?

O setor de transporte de passageiros está se expandindo e a demanda por acompanhantes a bordo está aumentando constantemente. Não é difícil se tornar um comissário de bordo, mas é muito trabalhoso ser um bom comissário de bordo. Envolve muita ambição, sacrifícios e você sempre tem que melhorar seu desempenho e conhecimento no campo.

É um trabalho que combina conhecimento de muitos campos (medicina, física, mecânica, segurança, produtos perigosos, geografia, meteorologia e muitos outros). Esta informação é fornecida a futuros acompanhantes a bordo através de cursos teóricos e práticos.

Para se tornar um comissário de bordo, cursos especializados devem ser realizados dentro de uma instituição credenciada de acordo com o direito internacional em vigor (seja de forma independente ou dentro de uma companhia aérea).

A tendência actual a nível internacional é recrutar pessoal não especializado (na Roménia, excepto a Blue Air, Tarom e Air Bucharest, que exigem a certificação de um membro da tripulação de cabina emitido pela Autoridade Aeronáutica) e fornecer a formação necessária como comissário de bordo. dentro da empresa que oferece o trabalho.

O treinamento envolve módulos teóricos e práticos para emergências (combate a incêndio, despressurização, evacuação, sobrevivência em ambientes hostis, primeiros socorros, etc.).

Contexto em qualquer campo é bem-vindo nesta profissão. Como membro da tripulação de cabine, você usa qualquer informação e experiência de vida.

Eu sei que você não tem um horário fixo. Como você se divide entre o trabalho, a vida privada e a vida familiar?

No meu caso, o mosaico da vida profissional e familiar é um sucesso. Em casa eu tenho uma compreensão do programa. Paixão pela aviação foi o que me levou ao mesmo lugar com meu marido.

Às vezes é mais difícil por causa do programa feito pela empresa. Se você não planeja antecipadamente, corre o risco de perder alguns momentos únicos, mas no meu caso faz parte da vida a que eu estava acostumado e ainda escolho viver.

Eu planejo minhas atividades de acordo com o programa recebido um mês antes da empresa. Ao mesmo tempo, estou feliz em apoiar e ajudar toda a família a criar minha filha. Há dias em que envolvo a todos e nem sempre é fácil.

Ana Diculescu-crew-1

Quais são seus futuros planos profissionais? Você quer ficar na aviação ou buscar outro emprego?

Devo admitir que por um período eu também tentei um trabalho do tipo 8-16. Foi muito difícil para mim adaptar-me a um programa regular, de segunda a sexta-feira. Naquela época eu estava perdendo o voo com todos os desafios que acompanham o pacote. O vôo, o prazer de trabalhar com as pessoas, o uniforme e os rigores da aviação levaram a um vício agradável, que eu não me vejo desistindo cedo demais. Outra área que me fascina e à qual gostaria de ir sem abandonar a aviação é a proteção ambiental e a reciclagem. Talvez em algum momento eu leve mais a sério essa área de atividade, talvez até em relação à aviação.

Ana Diculescu-Lapland

Em seu trabalho, suspeito que não haja dias monótonos. Você pode nos dizer como vai um dia de trabalho? Você já teve altos e baixos, situações agradáveis ​​e menos agradáveis?

A escolta a bordo é baseada em procedimentos, portanto há um esquema bem definido da atividade em si, mas trabalhar com pessoas faz com que a monotonia desapareça todos os dias.

Cada passageiro é único e tem suas próprias expectativas; satisfazer as necessidades dos passageiros em relação à viagem e sua satisfação é para mim o desafio diário que procuro cumprir da melhor forma possível.

Um dia de trabalho começa em casa: a preparação para o voo é rigorosa. Além da recapitulação das informações necessárias (procedimentos normais e de emergência, primeiros socorros, etc.), há também a composição do treinamento físico.

Todos associam os acompanhantes a bordo com beleza, elegância e cuidado, de modo que a importância da aparência física agradável não deve ser negligenciada.

No aeroporto, toda a tripulação se reúne e discute o plano para o vôo, incluindo as reações esperadas em situações imprevistas e o modo de ação, para mantê-los totalmente atualizados e para encurtar o tempo de reação em tais casos.

Uma vez no avião, toda a tripulação de cabine verifica a aeronave e recebe os passageiros.
Cada embarque é diferente, há situações que precisam ser resolvidas sem demora (desde os assentos dos passageiros até o primeiro socorro ser concedido).

Depois de embarcar e fechar as portas do avião, deslize os slides para a evacuação dos passageiros em caso de emergência e, em seguida, apresentar o treinamento de segurança para eles.

Decolagem e pouso em todos os momentos são fases críticas do vôo e, em seguida, os comissários de bordo estão alertas para responder prontamente.

Depois de decolar, repita partes do treinamento de segurança a bordo (regras para fumantes, recomendações para manter os cintos presos, etc.) e inicie o serviço a bordo (servindo passageiros). Talvez possa variar de raça para raça, dependendo de sua especificidade.

Durante esse tempo, os comissários de bordo prestam atenção ao que está acontecendo tanto na aeronave quanto fora dela, de modo que qualquer anomalia possa ser comunicada aos pilotos.

Resumindo: estamos sempre em alerta e prontos para intervir em qualquer situação, seja passageiros que se sentem mal a bordo (o mais comum) ou situações de emergência.

Antes do pouso, a cabine de passageiros é segura, todos os documentos necessários são preparados e após o pouso, na base, a aeronave dos colegas do solo é entregue (técnicas, catering, etc.). Se necessário, após o vôo, os problemas decorrentes são discutidos e as conclusões tiradas.

Em cerca de 6000 horas de voo, não tivemos situações desagradáveis ​​graves. Nada mais do que dar primeiros socorros, turbulência, pousos e decolagens durante o mau tempo ou apenas alarmes falsos, tudo dentro dos limites da segurança de vôo. Eu nunca me senti em perigo no avião, pelo contrário, sempre seguro e defendido.

em voo-ana-Diculescu-1

A interação com pessoas especiais, a harmonia da tripulação, as paisagens de tirar o fôlego e os muitos "Obrigado por nos trazer com segurança" ou "Foi um voo maravilhoso" são apenas alguns dos muitos momentos agradáveis ​​a bordo dos aviões.

Que conselho você tem para aqueles que querem seguir carreira na aviação, especialmente como comissários de bordo?

O mundo da aviação é fascinante e maravilhoso. Apenas requer paixão, paciência e perseverança.

Ana, muito obrigada por esta entrevista. Dito isto, desejamos a você "Céu Limpo" e tantos voos não-incidentes!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa o Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.