A Romênia estendeu o estado de alerta: as restrições anticovid são mantidas!

0 369

O governo estendeu o alerta por 30 dias, mantendo as restrições introduzidas no final do mês passado. Assim, a quarentena noturna permanece válida, o acesso a lojas não essenciais ou shoppings continuará a ser permitido apenas a pessoas com certificado digital COVID-19 obtido após vacinação ou em estado de enfermidade, e eventos privados, como casamentos ou batizados, são proibido. Também é obrigatório o uso de máscara de proteção em todos os espaços públicos fechados e abertos, bem como no trabalho e nos transportes públicos.



  • 1. Propõe-se manter a coordenação operacional dos serviços públicos de ambulância e serviços voluntários para situações de emergência pelas inspecções distritais / Bucareste-Ilfov para situações de emergência, e a coordenação da polícia local pela Direcção-Geral da Polícia de Bucareste / inspecções distritais de a polícia é realizada nas condições do art. 521 da Portaria de Emergência do Governo no. 70/2020, aprovado com alterações e complementos pela Lei nº. 179/2020, com posteriores alterações e complementações.

  • 2. Propõe-se a manutenção da continuidade da actividade de centros residenciais de acolhimento e assistência a idosos, centros residenciais de crianças e adultos, com e sem deficiência, bem como de outras categorias vulneráveis, bem como a obrigatoriedade de constituição do horário de trabalho dos funcionários com a aprovação do município de saúde pública, respectivamente do município de Bucareste.

  • 3. Propõe-se a manutenção da obrigação dos prestadores de serviço social residencial de organizar o seu programa de acordo com o contexto epidemiológico existente a nível local e de acordo com as normas em vigor na legislação laboral. A actividade ao nível destes serviços será organizada e executada em conformidade com as regras de prevenção da propagação do vírus SARS-CoV-2 estabelecidas pelas autoridades competentes.

  • 4. Propõe-se a manutenção da obrigação de exercício permanente da actividade de todos os centros operativos para situações de emergência com actividade temporária, bem como do Centro Nacional de Coordenação e Gestão da Intervenção e dos centros do concelho / Bucareste para coordenação e gestão da intervenção.

5. Propõe-se a manutenção da obrigatoriedade de uso de máscara protectora em todos os espaços públicos fechados e abertos, bem como no local de trabalho e nos transportes públicos, nas condições estabelecidas por despacho comum do Ministro da Saúde e do Ministro da Assuntos internos.

  • 6. Propõe-se manter a possibilidade de isolamento e quarentena nas condições do art. 7, 8, 11 e 12 da Lei no. 136/2020 sobre o estabelecimento de medidas no domínio da saúde pública em situações de risco epidemiológico e biológico, republicado com posteriores alterações e complementos.
  • 7. Propõe-se a realização de testes semanais, a cargo das direcções de saúde pública, pessoal de atenção e assistência, pessoal especializado e auxiliar que trabalhe em centros residenciais de acolhimento e assistência a idosos, centros residenciais para crianças e adultos, com e sem deficiência , bem como para outras categorias vulneráveis.

  • 8. Propõe-se manter restrições à organização e realização de comícios, manifestações, procissões, concertos, espectáculos, cursos de formação, workshops, conferências ou outros encontros, a organização de eventos privados (casamentos, baptizados, refeições festivas e semelhantes) , bem como as reuniões de natureza cultural, científica, artística, desportiva ou recreativa em espaços abertos ou fechados e a sua realização nas condições dos pontos 9-19.

  • 9. Propõe-se a manutenção da possibilidade de realização de atividades de formação física dentro das estruturas e bases desportivas, que consistem em campos de treino, treinos e competições desportivas organizadas na Roménia apenas nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Juventude e Desportos e Saúde.

10. Propõe-se que o desenvolvimento de competições desportivas no território da Roménia, em espaços fechados ou abertos, possa ser realizado sem a participação de espectadores, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Juventude e Desportos e do Ministro da Saúde.

  • 11. Propõe-se que as atividades de instituições museológicas, bibliotecas, livrarias, cinemas, estúdios de produção cinematográfica e audiovisual, instituições de espetáculos e / ou concertos, escolas populares, de arte e artesanato, e eventos culturais internos ou abertos, sejam realizadas exclusivamente nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Cultura e do Ministro da Saúde.

  • 12. Propõe-se que, no ponto 11, seja permitida a organização e funcionamento de cinemas, salas de espectáculos e / ou concertos em espaços fechados ou abertos com a participação do público até 30% da capacidade máxima do espaço e desempenho de máscaras de proteção. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

13. Propõe-se que a atividade de serviços religiosos, incluindo serviços coletivos e orações, seja realizada dentro e / ou fora dos locais de culto de acordo com as regras de proteção à saúde, estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Saúde e do Ministro de Assuntos Internos.

  • 14. Propõe-se que, nas condições do ponto 13, a fim de prevenir a propagação das infecções do vírus SARS-CoV-2, a organização de procissões religiosas e / ou peregrinações seja permitida apenas no cumprimento das regras de proteção da saúde estabelecidas por despacho do Ministro da Saúde. parecer da Secretaria de Estado dos Cultos.

  • 15. Propõe-se manter a proibição das atividades recreativas e esportivas ao ar livre, com exceção daquelas com um máximo de 10 pessoas que não vivam juntas. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia seguinte à confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Saúde, conforme o caso, com o Ministro da Juventude e Desportos, o Ministro do Ambiente, Águas e Florestas ou o Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural.

16. Propõe-se a manutenção da organização e condução das atividades próprias das instituições com competências no domínio da defesa nacional, ordem pública e segurança, ao ar livre, sob a supervisão de um epidemiologista.

  • 17. Propõe-se a manutenção da organização e condução de atividades específicas no campo diplomático, inclusive nas sedes das missões diplomáticas e escritórios consulares acreditados na Romênia, de modo a garantir uma área de pelo menos 4 metros quadrados para cada participante e cumprir as normas de proteção à saúde.

  • 18. Propõe-se a manutenção da medida relativa à organização de comícios e manifestações com um número máximo de participantes de 100 pessoas e uso de máscara protectora. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

19. Propõe-se a manutenção da licença de prevenção e controle da peste suína africana por caçadores coletivos com no máximo 20 participantes.

  • 20. Propõe-se manter a proibição da circulação de pessoas fora do domicílio / domicílio, entre as 22h00 e as 05h00, com as seguintes exceções:
  • a) viagens por interesse profissional, incluindo entre o domicílio / agregado familiar e o local / locais onde se desenvolve a atividade profissional e regresso;
  • b) viagens para assistência médica que não possa ser adiada ou realizada à distância, bem como para compra de medicamentos;
  • c) viajar para fora das localidades de pessoas em trânsito ou fazer viagens cujo intervalo de tempo se sobreponha ao período de proibição, tais como as feitas de avião, trem, ônibus ou outro meio de transporte de passageiros, e que possam ser comprovadas por bilhete ou qualquer outra forma de pagar a viagem;
  • d) viagens por motivos justificados, como creche / assistência, assistência a idosos, enfermos ou deficientes ou a morte de um membro da família;
  • e) a movimentação de pessoas que estão vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais se passaram 10 dias desde o preenchimento do esquema vacinal completo, respectivamente de pessoas que estão no período entre o 15º e 180º dia após a confirmação da infecção com o vírus SARS-CoV-2 e comprovando que essas condições são atendidas por meio de certificado digital da União Europeia para COVID-19 ou por documentos, em papel ou em formato eletrônico, que atestem a vacinação ou a existência de teste antígeno positivo ou RT -PCR para SARS-CoV-2 nos últimos 180 dias.

  • 21. Propõe-se que, ao verificar o motivo da mudança por interesse profissional, previsto no n. ° 20 let. a), as pessoas devem apresentar, a pedido dos funcionários das autoridades competentes, o cartão de serviço ou o certificado emitido pela entidade patronal ou uma declaração da sua responsabilidade, preenchida com antecedência.

  • 22. Propõe-se que, ao verificar o motivo da viagem por interesse pessoal, previsto no n. ° 20, let. b) -d), as pessoas a apresentarem, a pedido dos funcionários das autoridades competentes, uma declaração de sua responsabilidade, previamente preenchida.
  • 23. Propõe-se que a autodeclaração prevista nos pontos 21 e 22 inclua nome e apelido, data de nascimento, endereço de residência / local de actividade profissional, motivo da viagem, data de conclusão e assinatura.
  • 24. Propõe-se a manutenção da competência do Comitê Nacional para Situações de Emergência para adotar medidas de suspensão de voos realizados por operadores econômicos da aviação de e para países de alto risco epidemiológico, as quais foram estabelecidas por decisão do Comitê Nacional para Situações de Emergência na proposta Instituto Nacional de Saúde Pública.

  • 25. Propõe-se isentar as seguintes categorias de voos das disposições do ponto 24:
  • a) realizada com aeronaves estaduais;
  • b) transporte de mercadorias e / ou correspondência;
  • c) serviços humanitários ou de prestação de serviços médicos de emergência;
  • d) Para busca, salvamento ou intervenção em situações de emergência, a pedido de uma autoridade pública romena;
  • e) Para o transporte das equipas de intervenção técnica, a pedido dos operadores económicos estabelecidos na Roménia;
  • f) pousos técnicos não comerciais;
  • g) posicionamento de aeronaves, sem carga tipo balsa comercial;
  • h) técnicas de execução de trabalhos em aeronaves;
  • i) efectuados por transportadoras aéreas titulares de licença de exploração nos termos dos regulamentos da União Europeia, por voos irregulares (charter), para o transporte de trabalhadores sazonais ou para o repatriamento de estrangeiros, da Roménia para outros Estados, com a aprovação do Autoridade de Aviação Civil Romena e autoridade competente do Estado de destino;
  • j) realizadas por transportadoras aéreas titulares de uma licença de operação de acordo com os regulamentos da União Europeia, por voos irregulares (charter), de outros estados para a Roménia para repatriação de cidadãos romenos, com a aprovação da Autoridade de Aviação Civil Romena, com base no acordo do Ministério da Administração Interna e Ministério das Relações Exteriores;
  • k) Realizados por transportadoras aéreas titulares de licença de exploração nos termos da regulamentação da União Europeia, em voos irregulares (charter), para o transporte de trabalhadores do sector dos transportes, previstos no Anexo nº. 3 da Comunicação sobre a implementação das Pistas Verdes no âmbito das Orientações sobre medidas de gestão das fronteiras para proteger a saúde e garantir a disponibilidade de bens e serviços essenciais - C (2020) 1897, de 23.03.2020, da Roménia para outros estados e de outros estados para a Roménia, com a aprovação da Autoridade Aeronáutica Civil Romena e da autoridade competente do Estado de destino.

26. Propõe-se a manutenção da proibição do transporte rodoviário de pessoas por serviços ocasionais, bem como a complementação das deslocações regulares, nos termos da regulamentação em vigor, para a participação em procissões religiosas e / ou peregrinações aos locais onde estas actividades tomar lugar.

  • 27. Propõe-se a manutenção do fechamento temporário, total ou parcial, dos seguintes pontos de passagem de fronteira estaduais:
  • 27.1 na fronteira romeno-húngara: Carei, condado de Satu Mare.
  • 27.2 na fronteira Romeno-Búlgara:
  • 2.a) Lipnița, condado de Constanța;
  • 2.b) Dobromir, Condado de Constanța.
  • 28. Propõe-se que a atividade com o público de operadores económicos que exerça atividades de preparação, comercialização e consumo de alimentos e / ou bebidas alcoólicas e não alcoólicas, tais como restaurantes e cafés, no interior de edifícios e esplanadas, bem como aqueles dispostos no interior dos hotéis, pensões ou outras unidades de alojamento, bem como nos respectivos terraços, devem ser permitidas até 50% da capacidade máxima do espaço no intervalo de tempo 0500-2100. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que se encontram no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 29. Propõe-se que as medidas previstas no ponto 28 se apliquem também aos operadores económicos que se dedicam à preparação, comercialização e consumo de alimentos e / ou bebidas alcoólicas e não alcoólicas em espaços públicos fechados com tecto, tecto ou tecto e que são delimitadas por, pelo menos, duas paredes, independentemente da sua natureza ou caráter temporário ou permanente.

30. Propõe-se que, no caso de a actividade dos operadores económicos referidos nos pontos 28 e 29 ser restringida ou encerrada, a preparação de alimentos e a comercialização de alimentos e bebidas alcoólicas e não alcoólicas não consumidas nessas instalações ser permitido.

  • 31. Propõe-se que a preparação, comercialização e consumo de alimentos e bebidas alcoólicas e não alcoólicas sejam permitidos em espaços exteriores especialmente concebidos, em conformidade com as medidas de protecção da saúde estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Saúde, Ministro da Economia, empreendedorismo e turismo e o presidente da Autoridade Nacional Sanitária Veterinária e Segurança Alimentar. Propõe-se o consumo de alimentos e bebidas alcoólicas e não alcoólicas em espaços especialmente projetados localizados no exterior de edifícios, ao ar livre apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema completo de vacinação , respectivamente pessoas que se encontram no período entre o 15º e o 180º dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 32. Propõe-se que o trabalho com o público em shopping centers e parques seja permitido apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema completo de vacinação, ou seja, pessoas que estão no período entre o 15º e 180º dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARSCoV2. Propõe-se que a medida não se aplique às pessoas que se apresentem aos centros de vacinação para a administração de uma dose da vacina, desde que sejam estabelecidas cores de entrada, movimentação e saída dedicadas e controladas em / a partir de centros comerciais e parques.

  • 33. Propõe-se que, à excepção do ponto 32 para os serviços públicos comunitários que operam em centros comerciais e parques, o acesso também seja permitido a pessoas com resultados negativos no teste RT-PCR para infecção pelo vírus SARSCoV-2 com menos de 72 horas ou o resultado negativo certificado de um teste rápido de antígeno para infecção pelo vírus SARS-CoV-2 não superior a 48 horas e comprovando viagem para este fim, apresentando um documento comprobatório em carta ou formato eletrônico.

  • 34. Propõe-se que a atividade pública dos operadores económicos cujo objeto principal seja a comercialização de produtos não alimentares só seja permitida a pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde o término da vacinação completa, respectivamente as pessoas que se encontram no período entre o 15º e o 180º dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2. Propõe-se que a medida não se aplique a unidades farmacêuticas localizadas fora de centros comerciais e parques, bem como a postos de abastecimento.

  • 35. Propõe-se que o alojamento em instalações de recepção turística seja permitido apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema completo de vacinação, ou seja, pessoas que estão no período entre o 15º e o 180º dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

36. Propõe-se a manutenção da proibição de bares, clubes e discotecas.

  • 37. Propõe-se que os operadores económicos que exerçam actividades de comércio / serviço em espaços fechados e / ou abertos, públicos e / ou privados, incluindo no interior de centros comerciais e parques, se organizem e exerçam a sua atividade no intervalo de tempo 0500-2100.

  • 38. Propõe-se que, a título de exceção ao disposto no ponto 37, no intervalo de tempo 2100-0500, os operadores económicos apenas possam operar em relação aos operadores económicos com atividade de entrega ao domicílio.

  • 39. Propõe-se que, com exceção do disposto no ponto 37, entre 2100 e 0500, os estabelecimentos farmacêuticos, as bombas de gasolina, os operadores económicos com atividade de entrega ao domicílio, bem como os operadores económicos do domínio do transporte rodoviário de pessoas e mercadorias exercer a atividade em regime normal de trabalho, respeitando as normas de proteção sanitária.

  • 40. Propõe-se que o transporte aéreo continue a ser realizado em conformidade com as medidas e restrições relativas à higiene e desinfecção de áreas comuns, equipamentos, meios de transporte e aeronaves, procedimentos e protocolos dentro de aeroportos e aeronaves, regras de conduta para aeroportos , pessoal aéreo e de passageiros, bem como na informação de pessoal e passageiros, de forma a evitar a contaminação de passageiros e pessoal que opera na área dos transportes aéreos, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro dos Transportes e Infra-estruturas, do Ministro da Saúde e do Ministro da Administração Interna.

  • 41. Propõe-se que o transporte ferroviário continue a ser realizado em conformidade com as medidas e restrições relativas à higiene e desinfecção das áreas comuns nas estações, paragens, estações ou pontos de paragem, equipamento e acessórios ferroviários, procedimentos e protocolos dentro das estações, paragens ., estações ou pontos de parada, mas também dentro de vagões e composições ferroviárias, o grau e ocupação do material circulante, as regras de conduta para operadores e passageiros, bem como para informar funcionários e passageiros, a fim de evitar a contaminação de passageiros e funcionários Trabalha na área dos transportes ferroviários, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro dos Transportes e Infra-estruturas, do Ministro da Saúde e do Ministro da Administração Interna.

  • 42. Propõe-se que o transporte rodoviário continue a ser realizado em conformidade com as medidas e restrições relativas à higiene e desinfecção dos meios de transporte de pessoas, procedimentos e protocolos dentro dos meios de transporte, o grau e modo de ocupação dos meios de transporte , regras de conduta para o operador e pessoal de passageiros, bem como sobre a informação de pessoal e passageiros, de forma a evitar a contaminação de passageiros e pessoal que trabalha na área dos transportes rodoviários, nas condições estabelecidas por despacho comum do Ministro dos Transportes e Infra-estruturas , o Ministro da Saúde e o Ministro da Administração Interna.

  • 43. Propõe-se que o transporte marítimo continue em conformidade com as medidas e restrições relativas à higiene e desinfecção de navios de passageiros, procedimentos e protocolos dentro de navios de passageiros, o grau e ocupação dos navios de passageiros, as regras de conduta para operadores e passageiros, como bem como informar o pessoal e passageiros, de forma a evitar a contaminação de passageiros e pessoal que trabalha na área da navegação, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro dos Transportes, Infra-estruturas e Comunicações, do Ministro da Saúde e do Ministro da Administração Interna .

44. Propõe-se que o transporte nacional e internacional de mercadorias e pessoas continue a ter lugar, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro dos Transportes e Infra-estruturas, do Ministro da Saúde e do Ministro da Administração Interna.

  • 45. Propõe-se que seja permitida a actividade com o público de operadores económicos em espaços fechados no domínio dos ginásios / fitness, sem ultrapassar 30% da capacidade máxima do espaço, garantindo uma área de pelo menos 4 m2. para cada pessoa. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-10 e para as quais tenham decorrido 15 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 180 e 2 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-XNUMX.

46. ​​Propõe-se que a atividade com o público de operadores económicos que desenvolvem atividades de gestão de piscinas interiores seja permitida sem ultrapassar 30% da capacidade máxima do espaço. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 47. Propõe-se que a actividade dos operadores económicos que exerçam actividades de gestão de piscinas exteriores, piscinas exteriores ou centros desportivos / de fitness seja exercida nas condições de despacho comum do Ministro da Juventude e do Desporto e do Ministro da Saúde.

  • 48. Propõe-se que a atividade pública dos operadores económicos licenciados no domínio do jogo seja permitida até 30% da capacidade máxima do espaço. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 49. Propõe-se que a atividade dos operadores económicos que gerem salas de jogo seja permitida sem ultrapassar 30% da capacidade máxima do espaço no intervalo 0500-2100. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 50. Propõe-se que a atividade dos operadores económicos que gerem parques infantis em espaços fechados ou abertos seja permitida sem ultrapassar 30% da capacidade máxima do espaço e apenas no intervalo de tempo 0500-2100. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 51. Propõe-se manter a obrigação dos operadores económicos que exercem atividades de tratamento termal de respeitar as regras de prevenção estabelecidas por despacho do Ministro da Saúde.

  • 52. Propõe-se manter a obrigação dos operadores económicos que desenvolvem actividades de jogo, assistência pessoal, recepção turística com funções de alojamento, bem como actividades de escritório com espaços comuns em regime aberto para cumprir as regras de prevenção estabelecidas pelo despacho comum do Ministro da Economia, Empreendedorismo e Turismo e do Ministro da Saúde.

  • 53. Propõe-se a manutenção da obrigação de as instituições e autoridades públicas, operadores económicos e profissionais organizarem a atividade de forma a garantir, à entrada nas instalações, a triagem epidemiológica obrigatória e a desinfecção obrigatória das mãos, tanto para o seu próprio pessoal como para os visitantes , nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Saúde e do Ministro da Administração Interna.

  • 54. Propõe-se manter a obrigação de que a actividade a nível de consultórios dentais e unidades de saúde não COVID, seja exercida apenas nas condições estabelecidas por despacho do Ministro da Saúde.

  • 55. Propõe-se que seja mantida a obrigação de a actividade em infantários ser exercida apenas com observância das condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Educação, do Ministro do Trabalho e da Protecção Social e do Ministro da Saúde.

56. Propõe-se que a atividade dos operadores económicos que realizam atividades extracurriculares seja realizada em conformidade com as medidas destinadas a prevenir e limitar a propagação das infecções da SARS-CoV-2.

  • 57. Propõe-se permitir o ensino e outras atividades específicas em unidades / instituições de ensino, bem como a organização e realização de exames para alunos, professores, desde que observadas as medidas preventivas estabelecidas por despacho conjunto do Ministro da Educação e do Ministro. saúde.

  • 58. Propõe-se que em caso de 3 casos de doença SARS-CoV-2 no prazo de 7 dias corridos, nos espaços destinados ao alojamento de alunos ou estudantes, seja instituída a medida de encerramento do edifício por um período de 14 dias . Para os alunos / alunos que não tenham possibilidade de regressar a casa ou a outro local, propõe-se garantir, por parte da unidade de ensino responsável, o alojamento em regime de quarentena, bem como as medidas necessárias ao apoio ao atendimento das necessidades básicas.

  • 59. Propõe-se que a atividade dos mercados agroalimentares, incluindo os mercados voadores, definidos nos termos do art. 7 par. (1) da Decisão do Governo no. 348/2004 sobre o exercício do comércio de bens e serviços mercantis em algumas áreas públicas, com posteriores alterações e complementos, a realizar nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro do Desenvolvimento, Obras Públicas e Administração, Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural, o Ministro da Saúde e o Ministro do Trabalho e Proteção Social.

  • 60. Propõe-se que a atividade de feiras, feiras e feiras de rua, definidas nos termos do art. 7 parágrafo (1) da Decisão do Governo no. 348/2004, com posteriores alterações e completamentos, a autorizar sem ultrapassar 30% da capacidade máxima do espaço, nas condições estabelecidas por despacho conjunto do Ministro do Desenvolvimento, Obras Públicas e Administração, do Ministro da Agricultura e Desenvolvimento Rural , o Ministro da Saúde e o Ministro do Trabalho e Proteção Social. Propõe-se que a participação seja permitida apenas para pessoas vacinadas contra o vírus SARS-CoV-2 e para as quais tenham decorrido 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, pessoas que estejam no período entre 15 e 180 dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 61. Propõe-se a manutenção da obrigação de organização do programa de trabalho em teletrabalho ou no domicílio para, pelo menos, 50% dos trabalhadores, e sempre que a especificidade da atividade não permita o teletrabalho ou o trabalho em casa o programa de trabalho seja organizado e realizadas em troca, com estrita observância das medidas de proteção sanitária.

  • 62. Propõe-se que a organização do trabalho no local de trabalho seja realizada de acordo com as disposições legais emanadas das autoridades competentes quanto à prevenção da contaminação com o novo coronavírus SARS-CoV-2, de forma a garantir a segurança e saúde dos trabalhadores, tendo em conta o grau de vacinação dos trabalhadores naquele local de trabalho, atestado por certificado de vacinação contra o vírus SARS-CoV-2 apresentado por trabalhadores que decorreram 10 dias desde o cumprimento do esquema completo de vacinação e do número de empregados no intervalo de 180 dias a partir da data do teste positivo, para empregados com confirmação positiva para infecção pelo vírus SARS-VOC-2, que possuam e apresentem ao empregador atestado emitido pelo médico de família.

  • 63. Propõe-se que o acesso a pessoas, exceto empregados, participantes em processos judiciais, disciplinares, contravenções, administrativo-judiciais e administrativos por razões de ordem e segurança públicas, pessoas que necessitam de serviços médicos e benefícios sociais, e pessoas que por ocasião da vacinação centros de administração de uma dose de vacina, nas instalações de instituições públicas centrais e locais, administrações autónomas e operadores económicos de capital aberto, apenas aqueles que foram vacinados contra o vírus SARS-CoV-2 e têm 10 dias após a conclusão do o esquema de vacinação completo, mostrando o resultado negativo de um teste de RT-PCR para infecção pelo vírus SARS-CoV-2 não superior a 72 horas ou o resultado negativo certificado de um teste rápido de antígeno para infecção pelo vírus SARS -CoV-2 não superior a 48 horas, respectivamente, que está no período entre 15 Dia 180 e 2 dias após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-XNUMX.

  • 64. Propõe-se que, em derrogação ao disposto no ponto 63, seja permitido o acesso de advogados para o exercício das actividades previstas no art. 3º da Lei nº. 51/1995 para a organização e exercício da profissão de advogado, republicado, com posteriores alterações e complementos.

65. Propõe-se que as medidas previstas no ponto 63 sejam igualmente aplicáveis ​​aos operadores económicos que operam em edifícios com escritórios privados em que trabalhem simultaneamente, pelo menos, 50 pessoas.

  • 66. Propõe-se que as instituições públicas e os operadores económicos tomem as medidas necessárias para garantir o acesso aos serviços públicos prestados, em situações de urgência (por exemplo, emissão de certidão de óbito, certidão de nascimento e semelhantes) e a pessoas que não comprovem vacinação, teste ou a cura da infecção pelo vírus SARS-CoV-2, pela organização da atividade em ambiente online, em espaços abertos, em balcões colocados diretamente no exterior dos edifícios ou em quaisquer outras condições que garantam a observância das medidas de prevenção da propagação da SARS- CoV-2 XNUMX.

  • 67. Propõe-se que as pessoas que não mostram vacinação, teste ou cura da infecção pelo vírus SARS-CoV-2 sejam permitidas em locais de culto onde atividades religiosas, incluindo serviços coletivos e orações, e em locais de culto. quais alimentos e bebidas alcoólicas ou não alcoólicas são vendidos fora de shoppings, feiras, feiras e feiras livres, usando máscara protetora e cumprindo as normas de proteção à saúde.

  • 68. Incidência cumulativa em 14 dias significa a incidência cumulativa de casos calculada ao longo de um período de 14 dias, entre o 17º e o 3º dia, anterior à data em que isso seja feito, por referência ao valor representativo da quantidade de pessoas com domicílio ou residência na localidade de referência, comunicada ao comité distrital / do município de Bucareste para situações de emergência pela Direcção de Registos de Pessoal e Administração de Base de Dados do Ministério da Administração Interna, através das estruturas territoriais distritais, no primeiro dia útil da semana, às 16,00hXNUMX. O valor comunicado pela Direcção de Registo de Pessoas e Administração de Base de Dados, através das estruturas territoriais do concelho, serve de referência para todo o período de tempo até à disponibilização de um novo conjunto de dados actualizados e é também transmitido ao Serviço Especial de Telecomunicações Serviço.

  • 69. Propõe-se que a realização da conclusão dentro dos limites da incidência cumulativa de casos em 14 dias, a fim de implementar as medidas estabelecidas nesta decisão, seja alcançada no prazo de 48 horas a partir da sua obtenção por decisão do comitê do condado / município de Bucareste para situações de emergência com base nas análises apresentadas pelas direcções distritais de saúde pública, respectivamente do município de Bucareste, e as medidas são aplicadas por um período de 14 dias, devendo ser reavaliadas no final do mesmo.

  • 70. Propõe-se que as direcções de saúde pública do condado e de Bucareste calculem, respectivamente, diariamente, para cada localidade na área de competência, a incidência cumulativa de casos a cada 14 dias, calculada de acordo com as disposições do ponto 68 e a apresentar a a comissão distrital / do município de Bucareste para situações de emergência, a análise resultou no prazo máximo de 24 horas a contar da data de verificação do cumprimento dos limites estabelecidos na presente decisão.

  • 71. Propõe-se que diariamente, com base nos resultados dos testes das pessoas recentemente confirmadas, geridas na aplicação “corona-forms”, o Serviço Especial de Telecomunicações apresente automaticamente, às 10h00, na plataforma “alerte.ms .ro ”o resultado do cálculo da taxa de incidência de acordo com a fórmula do ponto 68.

  • 72. Propõe-se que a certificação da vacinação, teste ou cura da infecção pelo vírus SARS-CoV-2 seja realizada por meio de certificados digitais da União Europeia no COVID-19, de acordo com o disposto na Portaria de Emergência do Governo no. 68/2021 sobre a adoção de medidas para a implementação do quadro europeu para a emissão, verificação e aceitação do certificado digital da União Europeia no COVID para facilitar a livre circulação durante a pandemia COVID-19, conforme posteriormente alterado e complementado ou no caso de indivíduos oriundos de países cujas autoridades não emitem certificados digitais da União Europeia para COVID-19 ou documentos compatíveis com esses certificados, a comprovação deve ser fornecida por meio de documento, em papel ou em formato eletrônico, que ateste a vacinação, teste ou SARS - Infecção pelo vírus CoV-2.

  • 73. Propõe-se manter a obrigação de os operadores / operadores econômicos que operam aqui digitalizarem o código QR no certificado digital da União Europeia para COVID-19 usando a seção "Verificação das regras internas" do aplicativo móvel "Verificar DCC" para verificar a autenticidade , a validade e integridade do certificado, sem omitir quaisquer dados ou informações do certificado verificado ou papel ou documentos eletrônicos atestando a vacinação, teste ou cura da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.

  • 74. Propõe-se isentar das medidas previstas na presente decisão as pessoas com idade igual ou inferior a 12 anos e acompanhadas por uma pessoa com mais de 18 anos que demonstre vacinação contra o vírus SARS-CoV-2. decorridos 10 dias desde a conclusão do esquema vacinal completo, ou seja, entre o 15º e o 180º dia após a confirmação da infecção pelo vírus SARS-CoV-2.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.