COVID-19 Daily - 27 de setembro de 2021: Portugal anuncia o levantamento de todas as restrições, a OMS apoia o tratamento com anticorpos; Menos de 4% dos africanos foram imunizados

0 862

A pandemia COVID-19 está longe de terminar. A evolução global é sinusoidal. Enquanto em alguns países o número de casos está aumentando rapidamente (ver o caso da Romênia), em outros a situação é muito melhor devido às restrições impostas. Durante todo esse tempo, os profissionais de saúde experimentaram todos os tipos de tratamentos anticovídeos, mas também desenvolveram novas variantes de vacinas. Abaixo, você encontra algumas das informações mais importantes sobre o COVID-19:



  • A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou o uso de tratamento com anticorpos, denominado Ronapreve ou REGEN-VOC, para pacientes de alto risco. hospitalização e formas graves. O coquetel de anticorpos foi usado no tratamento do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Ele está atualmente sendo examinado por autoridades europeias, enquanto o Reino Unido deu luz verde no mês passado e os americanos o aprovaram para uso de emergência. A OMS também apelou à empresa para reduzir o preço do tratamento com anticorpos e torná-lo disponível a todos de forma justa.

Portugal levantará todas as restrições restantes em 1 de outubro. O anúncio foi feito quinta-feira pelo primeiro-ministro Antonio Costa. Restaurantes, teatros, cinemas, etc. eles poderão receber em capacidade total.

  • Um homem de 12 anos da Holanda solicitou ao tribunal o direito de receber a vacina, apesar das objeções de seu pai. O jovem queria visitar sua avó moribunda. Na Holanda, crianças entre 12 e 17 anos podem escolher ser vacinadas, mas precisam da permissão dos pais. Se os pais não concordarem, a lei holandesa diz que os juízes podem tomar decisões no melhor interesse das crianças.
  • Devido à pandemia COVID-19, os vencedores do Prêmio Nobel de Ciência e Literatura receberão seus prêmios em seu país de origem, não na Suécia, como originalmente planejado.
  • Menos de 4% das pessoas na África foram completamente vacinadas. Isso ocorre porque não há doses suficientes da vacina. Até o momento, a maioria das doses de vacina chegou a países financeiramente poderosos, ricos e muito ricos. Menos de 1% foi para países de baixa renda, de acordo com o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa.
  • A Novavax solicitou à OMS a aprovação da vacina de emergência. A aprovação poderia facilitar o transporte de milhões de doses para muitos países mais pobres.
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.