A nova companhia aérea italiana - ITA (nova Alitalia) - estará operacional a partir de 15 de outubro

0 201

Avião atrasado? Voo cancelado? >>Reivindicar compensação agora<< para o vôo
atrasado ou cancelado! Você pode ganhar até € 600!

A Itália e a Comissão Europeia (CE) concluíram "positivamente" as negociações que vêm executando há vários meses para o nascimento da nova Alitalia, chamadas Ita (Transporte Aéreo Itália). O anúncio foi feito quinta-feira pelo Ministério da Economia e Finanças, que indicou que a nova empresa estará "totalmente operacional" a partir de 15 de outubro, quando são esperadas as primeiras decolagens.

Governo da italia, liderado por Mario Draghi, estava em conversações com Bruxelles há vários meses para criar a nova companhia aérea, o Itaú, em detrimento da Alitalia, que atravessa uma situação financeira precária e esteve várias vezes à beira da falência nos últimos anos.

“Com o Ita, nasce uma nova e importante companhia aérea italiana, com grandes perspectivas de desenvolvimento e que terá condições de competir no mercado nacional e internacional", Explicou o ministro da Infraestrutura, Enrico Giovannini.

As negociações terminaram "positivamente", segundo declarações de Giovannnini, e levaram a "encontrando um soluções contribuir efetivamente para a promoção do setor da aviação nacional".

A nova companhia aérea vai apostar em inovação e digitalização, de acordo com os princípios estabelecidos em Plano de recuperacao pós-pandemia aprovada por Roma. Nesse sentido, o Ministério da Infraestrutura acompanhará a evolução do mercado a fim de entender os “novos requisitos” para viagens humanas.

A Alitalia está em concordata desde 2017, sem encontrar investidor. A Itália teve de bombear centenas de milhões de euros para manter a empresa no mercado, dinheiro que nunca foi devolvido e que a Comissão Europeia está a investigar se se tratava de um auxílio estatal, embora ainda não tenha decidido nada.

Além disso, a Alitalia recebeu aproximadamente desde o ano passado 300 milhões de euros em ajuda a empresas afetadas pela pandemia do coronavírus, com a aprovação de Bruxelas.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa Akismet para reduzir o spam. Saiba como seus dados de comentário são processados.