A história do dia: a indústria da aviação vista de fora por Francesca Hinton.

0 258

Francesca Hinton é consultora sênior da Lexington Communications em Londres, aconselhando diversos clientes da aviação.



Abaixo estão alguns pensamentos apresentados por Francesca Hinton, que funciona tangencialmente com a aviação, mas não diretamente. E isso dá a ele outra experiência de aviação, mas de fora.

"Se você menciona de passagem para um amigo que trabalha na aviação, muitas imagens vêm à mente - talvez a de um piloto, um tripulante de cabine ou talvez até mesmo um assistente de check-in. É claro que isso é natural porque são as pessoas que todos veem quando passam por um aeroporto ou viajam de avião.

Sem dúvida essa foi a primeira imagem na minha cabeça sobre o setor, aos 19 anos, embarcando pela primeira vez em um avião quando fiz faculdade no exterior. Só mais tarde, no meu próprio trabalho, percebi que a realidade é diferente, com as diferentes funções necessárias para manter esta incrível indústria em funcionamento.

Eu trabalho em comunicação e relações públicas para companhias aéreas do Reino Unido e um grande aeroporto de Londres. Como consultor tive que colaborar com inúmeras pessoas que desempenham diferentes funções, mas necessárias para manter as operações do dia-a-dia. Afinal, a indústria da aviação é o terceiro maior mercado global.

Menos de 5% dos pilotos no Reino Unido eram mulheres.

Quer sejam controladores de tráfego aéreo que dirigem as aeronaves com cuidado com eficiência exata, assessores de imprensa que mantêm sua força em uma crise ou oficiais que trabalham para garantir que tudo seja feito com os mais altos padrões, todas as funções são essenciais neste setor.

Talvez a maior experiência de conhecer o setor com mais profundidade tenha sido, no entanto, um convite que recebi para trabalhar com um grupo que representa as mulheres na aviação e, em particular, as ambições de ver uma maior paridade. A Women's Aviation Charter foi um compromisso da indústria de reverter as principais estatísticas que sugeriam que menos de 5% dos pilotos do Reino Unido eram mulheres.

Trabalhando com esse incrível grupo de pessoas, participei das incríveis campanhas organizadas na indústria pelas companhias aéreas - seja a campanha "FlyShe" para obter mais materiais educacionais nas escolas ou a iniciativa Amy Johnson da EasyJet para recrutar mais mulheres-pilotos - e percebi a paixão das pessoas que trabalham neste setor.

Olhando para o futuro, a pandemia sem dúvida trouxe desafios incríveis para esse setor, mas as ambições que existiam antes da crise, uma força de trabalho inclusiva e um futuro sustentável continuam mais fortes do que nunca."

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.